domingo, 11 de Novembro de 2012

O tenebroso encanto do monstro do Lago Ness


Conta a lenda que no lago Ness, na Escócia vive uma criatura conhecida popularmente como "Nessie". As jornalistas da BBC Chloe Hadjimatheou e Vanessa Barford investigam porque este mítico monstro gera tanta fascinação.

O cientista Adrian Shine está a quatro décadas estudando o que ocorre no lago. O tem patrulhado de dia e de noite, tirou inumeráveis fotos e utiliza os últimos avanços tecnológicos para descobrir o mistério por trás do monstro do Lago Ness.

Há 25 anos, Shine liderou o que na época foi a busca mais extensa: uma exploração que custou mais de um milhão e meio de dólares e se chamou Operação Deepscan.

Para este projeto - que durou uma semana - uma frota de 24 barcos equipados com sonares de alta tecnologia rastreou durante dois dias o lago de 227 metros de profundidade e 36 quilómetros de largura localizado nas terras altas da Escócia (Highlands).

Sem dúvida, ainda que Shine tenha percorrido distâncias imensas em sua busca do monstro do Lago Ness, ele não é o único que caiu em seu feitiço.

Uma Ideia Romântica

Willie Cameron, especialista no mercado de turismo das Highlands, garante que cerca de um milhão de pessoas visitam o lago Ness e seus arredores há cada ano, acrescentando a economia uns US$40 milhões.

Segundo ele mais de 85% dos turistas se sentem atraídos pelo fenómeno do monstro do Lago Ness.

"O Lago Ness se converteu sem querer, numa marca tão grande como Elvis Presley, Madonna ou Coca-Cola", disse.

Porém em que momento Nessie ganhou seu status de mito e qual é a fascinação na sua busca?

Jonathan Downes, diretor da fundação Centre for Fortean Zoology, garante que a lenda do monstro data do século VI. Mas somente na década de 1930 realmente começou a sua popularidade.

Desde então tem havia uma onda de avistamentos e milhares de pessoas garantem que viram a criatura do Lago Ness.

A maioria das descrições se baseiam em duas teorias: uma que fala de uma serpente marinha, e a outra que se trata de um plesiosauro, um grande réptil marinho do período jurássico.

"As pessoas gostam de imaginá-lo como um réptil pré-histórico gigante que vive no lago, mas isso não é possível, é uma tolice", disse Downes.

"Sem dúvida, é uma ideia encantadora. Creio que para as pessoas, a ideia de um monstro no século XXI , um sobrevivente pré-histórico, é irresistivelmente romântica".

As Provas

Downes disse que o estranho do monstro do Lago Ness é que, ainda que se trate "da criatura misteriosa mais emblemática", na realidade é a que conta com menos evidência para provar sua existência.

As chamadas provas materiais resultaram em falsos alarmes, explicou.

"As supostas pegadas foram feitas na realidade por um hipopótamo ou um elefante de peluche e o 'corpo do monstro' que foi arrastado em 1972 resultou ser um elefante marinho morto", disse o especialista.

Quase toda a lenda relacionada com a criatura do Lago Ness provêm de historias e visões. E Shine sabe por experiência de primeira mão o pouco confiáveis que podem ser.

Pouco depois de sua chegada ao Lago Ness na década de 1970, Shine estava remando num lago próximo, chamado Morar, que também tem sua própria história de avistamentos de monstros, com a esperança de encontrar algo.

"De repente, ali estava: o perfil clássico com uma corcova grande. Segundos depois vi uma cabeça meio submersa que parecia estar em movimento".

Entusiasmado, Shine começou a tirar fotos até que se deu conta de que só se tratava de uma rocha com forma estranha que saía da água.

"Foi então que me dei conta de que se não podia confiar em meus próprios olhos, não necessariamente devia confiar nos dos demais".

Shine explica que é difícil adivinhar quão honestos são os testemunhos oculares do monstro do Lago Ness.

De acordo com Willie Cameron, muitos locais asseguram que há algo escondido no lago.

"Sei de quatro pessoas que creem sinceramente haver visto uma criatura, mas não quiseram falar disso em público por medo do ridículo".

"Meu falecido pai viu algo inexplicável em 15 de junho de 1965. Outras nove pessoas o viram ao mesmo tempo. Tinha uma fonte de energia, porque se movía contra o vento. Descreve-lo, me disse meu pai, seria como tentar descrever um tomate a um cego".

A Operacão Deepscan registou três grandes e inexplicaveis "contactos". Nos scaners apareceram como marcas com forma de meia lua. No entanto, algumas pessoas consideraram que eram muito grandes e profundas para pertencer a qualquer criatura.

Mas outros dizem que os "contactos" poderiam ter sido feitos por uma foca ou um grupo de salmões.

Um Mistério

Mas Shine, que agora dirige o Projeto Loch Ness e Morar, ainda espera descobrir o que há por trás do mistério, e diz que ninguém pode refutar a beleza do mito do monstro.

Embora ele não acredite que o morador mais famoso e solitário da Escócia seja um plesiosauro, tem a teoria de que é uma "criatura Jurássica ".

"Eu acho que poderia ser um esturjão do atlântico ", diz ele com um sorriso malicioso.

Conhecido por ultrapassar mais de quatro metros de comprimento, esses peixes têm placas de escamas ao longo do corpo e uma cara comprida, com dentes pontiagudos pendurados nas suas mandíbulas, não são nativos da Escócia.

No entanto, eles poderiam ter vindo ao Loch Ness em busca de novos locais de reprodução.

"Poderiam facilmente ter nadado até o lago e, depois de ser visto, ter retornado não deixando nenhum rasto, só um enigma", disse Shine.

As várias teorias , é claro, são parte do apelo da lenda de Nessie.

Downes diz que a única teoria que faz sentido para ele é do "gene do gigantismo" que poderia ter criado uma enguia maior do que o normal.

E Cameron, por sua vez, diz que os avistamentos poderiam ser devido à passagem de outras criaturas: um grande invertebrado noturno, uma foca, um tubarão ou golfinho de grande tamanho vindo do mar.

Mas mesmo se você conseguiu testar a teoria de esturjão, conclui Shine, não dissipa o mistério de Nessie.

"Se a operação DeepScan mostrou alguma coisa, é que a ciência não pode matar uma lenda", diz ele.

Cameron concorda: "O fascínio pelo monstro de Loch Ness é agora parte da psique pública. Todo mundo adora o mistério". 

A origem

As múltiplas teorias afirmam que o monstro é o último dos répteis jurássicos que sobreviveram : um plesiosauro. Alguns acreditam que Nessie é um esturjão do atlântico, que pode ultrapassar os 3,6 metros de comprimento.

Outros consideram a possibilidade de que se trata de uma foca, uma enguia muito grande, ou até mesmo um elefante . A primeira aparição do monstro ocorreu no século VI. O interesse atual começou com relatos de avistamentos em 1933.

fonte: BBC Mundo

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...